23.1.08

Jó 42, 2-6

Desejos de liberdade, de depender de Deus
como pássaro na copa desfolhada
de uma árvore de outono.

Parado, assim, até se sente dono
de um azul que nunca foi seu,
respirando os mesmos ares
daquele que, de fato, nem sequer conheceu.

Pois ignorava que, de ouvir falar, não se conhece
de onde vem, quem é ou para onde vai.
Só o salto medroso, mas decisivo,
é capaz de realizar o impossível:

que o velho pássaro, já tão acostumado
a nas copas se ver engaiolado,
possa enfim ser todo dele
como seu já é o Céu Amado.

3 comentários:

Anônimo disse...

Dolorosa dependência em Deus, que nos forma na fé e na esperança de que o caminho que Ele nos apresenta nos leva a felicidade de sermos Dele e ao amor.

Shalom
Pati

Mi disse...

Tú és meu pardalzinho, rs...

Mi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.